BLOG IEEP

Os melhores artigos em
Gestão Ágil e Liderança

28 de agosto de 2019

Mindset Ágil: mais importante que a metodologia é a mentalidade

Vamos começar esse texto fazendo esta pergunta: Por que existe a necessidade de uma nova abordagem para a gestão?

A resposta é: porque o mercado mudou e, consequentemente, as necessidades das organizações também.

Hoje vivemos uma era que chamamos da ERA ÁGIL.

Trata-se de um momento que veio para ficar. Como diz o próprio Stephen Dennning, uma das maiores referências em Cultura Ágil do mundo: “Ou você vai liderar a revolução ágil ou você vai seguir quem o fizer”.

Simplesmente não tem mais volta.

E tais mudanças influenciam diretamente na forma de gerenciar um negócio, um projeto, uma ideia. Uma nova abordagem para gestão ágil tem despertado grande interesse entre as organizações de todo o mundo.

Estamos vivendo uma tendência para o desenvolvimento ágil de aplicações e projetos devido ao acelerado ritmo de mudanças na tecnologia da informação. Essas pressões constantes por inovar mais, concorrência acirrada e alto dinamismo no ambiente de negócios para obter melhores resultados.

O sistema burocrático de outrora está dando lugar a era da agilidade.

Citando o que diz Gary Hamel, Management Lab Director of London Business School, sobre as novas necessidades da gestão do mundo de hoje:

“A burocracia é o sistema de operação definitivo de praticamente todas as grandes organizações do planeta. Fundador da ideologia do controlismo, eleva a conformidade acima de todas as outras virtudes organizacionais. A burocracia constitui um sistema de castas organizacionais que diferencia os pensadores (gestores) e os executores (empregados). Como consequência, a burocracia desperdiça enormes quantidades de iniciativa e imaginação humanas.

A economia criativa de hoje precisa de um repensar radicalmente os princípios e processos de gestão de cima para baixo e tradicionais. O desafio: construir organizações que sejam tão inovadoras quanto eficientes, cheias de paixão e pragmátismo.

Não se trata apenas de implementar uma nova prática, processo ou estrutura. Em vez disso, precisamos começar com um novo conjunto de princípios de gerenciamento.”

E quando penso em uma mudança de princípios, eu falo sobre um novo jeito de pensar.

Pensamentos geram sentimentos, que geram ações, que geram resultado!

Isso é comprovado pela programação neurolinguística, em que temos a teoria do P -> S -> A -> R.

Essa teoria amplamente usada em desenvolvimento humano nos mostra que a forma de pensarmos nos conduz aos sentimentos que temos.

De forma análoga, o que sentimos é algo que direciona as nossas ações, que são os responsáveis por nossos resultados.

Então, o que essa teoria nos ensina?

Que os resultados que geramos vêm originalmente da nossa forma de pensar.

Ao entendermos isso, compreendemos que os pensamentos atuais estão criando nossos comportamentos, e são esses que vão determinar o nosso destino e o nosso papel como profissional.

Portanto, é importante falar que “não se compra ágil. É uma mudança de hábitos, rotina”Fabio Akita.

Um mudança de rotina real só vem quando pensamos de forma diferente. E isso, inclusive, é o principal desafio para a implementação das famosas metodologias ágeis.

Caso queira saber mais sobre as metodologias, leia o artigo “Metodologias ágeis: o Scrum é apenas uma delas” clicando aqui.

O Mindset Ágil x Mindset Tradicional

Os métodos ágeis demandam uma nova forma de pensar, uma nova mentalidade, que aqui chamamos de Mindset Ágil.

A psicóloga americana Carol Dweck, autora do livro “Mindset: A nova psicologia do sucesso“, defende que a atitude mental na qual encaramos a vida, que ela chama de “mindset”, é crucial para o sucesso e o nosso desenvolvimento.

Para a gente entender melhor, eu vou fazer algumas perguntas para fazer você pensar:

  • Você busca o perfeccionismo em tudo o que você faz?
  • Você busca revisar a sua entrega várias vezes para não ter a chance de ter nenhum erro?
  • Você faz planejamentos detalhados de longo prazo para guiar todas as suas ações?
  • Você segue o planejamento a risca para garantir a qualidade?
  • Você faz de tudo para uma ideia inicial ter sucesso, mesmo que os feedbacks pareçam ir na direção contrária?
  • Você gosta de trabalhar sozinho e tem dificuldade em validar as entregas com o seu líder ou colegas de área?
  • Você é multitarefa e busca fazer tudo ao mesmo tempo?

 

Se a sua resposta foi sim para a maioria dessas perguntas, quer dizer que você está muito mais acostumado com uma forma mais tradicional de pensar do que a mentalidade ágil.

Quer saber o quão ágil você é? Faça o teste e descubra!

Cada vez mais temos que lidar com problemas complexos e projetos com alta imprevisibilidade, que envolvem inúmeras variáveis em um cenário cada vez mais diversos e que não podemos controlar.

O mindset ágil é que pode auxiliar você desde a resolução de pequenos problemas até as questões da sua empresa como um todo, sendo extremamente ágil.

Hoje vivemos em um mundo que chamamos de mundo VUCA. Já ouviu falar?

O Mundo Vuca:

Mundo Vuca: votatil, incerto, complexo e ambíguo

Volátil

Você também deve perceber o quão rápido tudo muda. Independente da área que você trabalha, a rapidez e a quantidade de mudanças tornam difícil conseguirmos prever o que está por vir.

Incerto (Uncertain)

Já reparou o quanto o presente parece incerto e o futuro, imprevisível? Isso porque, para o Mundo VUCA, compreender as relações de causa e efeito hoje não ajudará a entender as consequências futuras, pois existe um grau de incerteza quanto o amanhã.

Complexo

Ações isoladas não existem mais, pois com a conectividade aumentou a interpendência das situações. Com isso, o sistema de tomadas de decisão passou a ser muito mais complexo.

Ambíguo

Como saber o impacto de uma transformação disruptiva, por exemplo, se não temos uma base histórica ou experiências anteriores para compararmos? O novo cenário deixa margens para diversas interpretações, todas pertinentes.

 

Portanto, o pensamento linear, quadrado, perfeccionista e altamente detalhado não cabe em muitos dos cenários que vivemos hoje. E quando olhamos para o futuro a tendência é que isso aumente mais ainda.

Aliás, a velocidade da mudança nunca vai ser tão devagar quanto é hoje. A tendência é que a velocidade da mudança só aumente.

Portanto, nós precisamos mudar também. Precisamos ser mais ágeis!

O que é ser ágil de fato?

Para a gente entender a fundo esse conceito, primeiro vamos olhar para a definição que temos em dicionários. A definição de ágil abaixo foi retirada do dicionário Online, Dicio:

Definição de ágil retirada de dicionário

 

Portanto, se o ágil é um adjetivo para pessoas que se movem de maneira rápida e veloz, em um mundo que chamamos de VUCA, as pessoas precisam desenvolver a mentalidade constante de adaptação e de flexibilidade.

Pessoas ágeis são aquelas que possuem uma mentalidade voltada ao aprendizado, são “lifelong leaners”, ou seja, pessoas que aprendem a vida toda. E com o aprendizado, vem a mudança.

Assim, pessoas ágeis são aquelas que não possuem medo de errar, testar, inovar e buscar coisas novas, pois sabe que tudo vais se tornar um aprendizado.

Mesmo quando o teste não tiver o resultado esperado, irá aprender, abandonar ideias ruins e seguir com o que aprendeu para fazer diferente.

Se você não estiver com vontade de fazer diferente, ficará preso na mentalidade do século passado e dificilmente terá facilidade em se adaptar ao mundo atual onde tudo é mudança.

Além disso, fora a mentalidade de crescimento e o fim da aversão ao erro, pessoas que possuem esse mindset ágil costumam ter um direcionamento muito claro. Elas fazem aquilo que mais importa, isto é, focam naquilo que pode gerar mais valor para o seu cliente.

O livro lançado em 2018, “The Age of Agile” (A era do ágil), mostra que a sociedade atual está passando para um momento que estamos convivendo constantemente com a Lei do Cliente.

A lei do cliente

A Lei do Cliente

Esta pode ser entendida como uma mudança de paradigma no jeito que organizações compreendem e interagem com o mundo.

O universo dos negócios deixa um paradigma que posiciona as empresas no centro, com usuários e clientes gravitando ao seu redor.

Para assumir um paradigma onde o usuário e o cliente estão no centro e as empresas gravitam ao seu redor, não apenas para satisfazê-los, mas para encantá-los.

A Lei do Cliente é aquela que diz que a entrega de valor instantânea, íntima e sem atrito para o cliente deixa de ser uma possibilidade e passa a ser uma necessidade.

A mudança de paradigma não sugere apenas alterações pontuais na mentalidade das pessoas para que elas foquem fortemente naquilo que for o melhor para o seu cliente.

É necessário ter clareza e precisão sobre o que seu cliente quer e precisa.

A partir desse conhecimento, conseguimos focar as nossas energias para fazer aquilo que mais importa.

Entenda mais sobre a Lei do Cliente e suas aplicações acessando aqui o nosso conteúdo especial sobre esse importante ponto para a agilidade organizacional.

Foque no que gera valor

Pessoas com o mindset ágil são aquelas que conseguem: Gerar o dobro do valor com a metade do trabalho. Pois são pessoas, que fazem aquilo que mais importa, aquilo que vai gerar o máximo de valor e deixar o resto de lado. Portanto, essas pessoas não são aquelas que querem pegar tudo para fazer, pois sabem que não há como fazer tudo com qualidade.

Segundo o livro Essencialismo, um dos motivos que pegamos muitas coisas para fazer é que as pessoas tem grande dificuldade em fazer escolhas.

Nós temos 24h e uma infinidades de possibilidades do que fazer. Porém, a realidade é que não há tempo suficiente para fazer tudo.

Depois de admitir isso, você pode escolher explicitamente o que você precisa fazer.

E obviamente, focaremos naquilo que mais pode gerar valor para o cliente. Utilizamos aqui a mentalidade do Princípio de Pareto.

“O Princípio de Pareto, ou regra 80/20, é uma tendência que prevê que 80% dos efeitos surgem a partir de apenas 20% das causas, podendo ser aplicado em várias outras relações de causa e efeito.”

Isto é, foque nos 20% que mais pode gerar valor. Não deixe eles de lado.

Por fim, pessoas ágeis são pessoas que buscam a autorresponsabilidade.

São pessoas que entendem a sua responsabilidade no resultado, na mudança, no aprendizado e na sua vida. Não ficam esperando passivamente a demanda do líder. São pessoas que entendem que são elas as responsáveis pelo sucesso, que são responsáveis por gerenciar equipes auto organizadas.

Mas de qualquer forma, se você busca ter sucesso na loucura de mundo que vivemos, você terá que buscar uma mentalidade de agilidade.

Depois de vários trabalhos nesse assunto, e muitos pontos de vista, nós percebemos que uma transformação ágil em empresas é um problema muito mais relacionado a pessoas do que a metodologias.

Na maioria das vezes, é a mentalidade da equipe e dos líderes que trava uma transformação realmente ágil.

Afinal, você é ou não é ágil. É um adjetivo e não um substantivo. E você adquirir esse adjetivo na sua vida ou trabalho, demanda uma mudança uma nova forma de pensar forte!

Banner Ebook Mentalidade Agil

Veja Mais Artigos